sábado, 24 de abril de 2010

Para pensar!

Recebi de um amigo um texto interessante. E mais interessante ainda é saber que o autor foi George Carlin.
Segundo o wikipédia, George foi um comediante, ator e autor norte-americano, pioneiro, com Lenny Bruce, no humor de crítica social. Crítico acérrimo das religiões, ateu convicto, principalmente do sentido da culpa e do controle social, defendia valores seculares. Morreu em 22 de junho de 2008, em um hospital de Los Angeles de parada cardíaca, depois de, nos últimos 20 anos, ter passado já por um enfarte e duas cirurgias no coração.
Devido às bobagens que ele escreveu a respeito de Deus, talvez não merecesse um espaço neste blog. Entretanto, percebo que em suas críticas ele tenha buscado mais chamar a atenção do Criador para si, do que realmente ridicularizá-lo.
Vamos ao texto:
"Nós bebemos demais, gastamos sem critérios. Dirigimos rápido demais, ficamos acordados até muito mais tarde, acordamos muito cansados, lemos muito pouco, assistimos TV demais e raramente oramos a Deus.
Multiplicamos nossos bens, mas reduzimos nossos valores. Nós falamos demais, amamos raramente, odiamos freqüentemente.
Aprendemos a sobreviver, mas não a viver; adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos.
Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho. Conquistamos o espaço, mas não o nosso próprio.
Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores. Limpamos o ar, mas poluímos a alma; dominamos o átomo, mas não nosso preconceito; escrevemos mais, mas aprendemos menos; planejamos mais, mas realizamos menos.
Aprendemos a nos apressar e não, a esperar.
Construímos mais computadores para armazenar mais informação, produzir mais cópias do que nunca, mas nos comunicamos cada vez menos.
Estamos na era do 'fast-food' e da digestão lenta; do homem grande, de caráter pequeno; lucros acentuados e relações vazias.
Essa é a era de dois empregos, vários divórcios, casas chiques e lares despedaçados. Essa é a era das viagens rápidas, fraldas e moral descartáveis, das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas 'mágicas'. Um momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na dispensa. Uma era que leva essa carta a você, e uma era que te permite dividir essa reflexão ou simplesmente clicar 'delete'.
Lembre-se de passar tempo com as pessoas que ama, pois elas não estarão aqui para sempre. Lembre-se dar um abraço carinhoso em seus pais, num amigo, pois não lhe custa um centavo sequer. Lembre-se de dizer 'eu te amo' à sua companheira(o) e às pessoas que ama, mas, em primeiro lugar, se ame... se ame muito. Um beijo e um abraço curam a dor, quando vêm de lá de dentro.
Por isso, valorize sua família e as pessoas que estão ao seu lado, sempre."

Pr. Douglas Amaral

4 comentários:

  1. Diogo Ferreira Amaral25 de abril de 2010 11:16

    É muito triste ler algo extremamente bonito e saber que o criador desse texto não acreditava em Deus, e viveu sua vida em uma mentira. Também é triste saber que existe pessoas que acreditam em Deus conhecem a bíblia e não conseguem ter esse tipo de amor e fraternidade em seus corações. Por que faltam guardar os mandamentos do Senhor em seus corações.
    João
    15:10
    Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor.

    ResponderExcluir
  2. E pensar que o George foi um "perseguidor" das religiões!

    ResponderExcluir
  3. Muitas vezes o perseguir a religião é subterfugio para fugir de Deus.

    Teddy

    ResponderExcluir
  4. Dizer "eu amo você" exige um verdadeiro treinamento emocional. Melhor do que chegar na frente e subir no pódio sozinho é chegar junto com os outros, abraçar e envolver as pessoas. Quando repartimos nosso amor ele se multiplica e expande. Façamos nossa parte!!! Eliane Silva.

    ResponderExcluir